Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

Com foco na inovação para o setor de Defesa nacional, a FINEP, empresa pública do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), lançou, nesta quinta-feira (2), uma chamada pública voltada à Base Industrial de Defesa. São R$ 120 milhões do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) para duas linhas temáticas: Tecnologias de Defesa e Defesa Biológica, Nuclear, Química e Radiológica.

O edital foi anunciado durante transmissão ao vivo com representantes do MCTI, do Ministério da Defesa, da FINEP/MCTI e da indústria de Defesa e segurança.  Podem participar empresas nacionais de qualquer porte individualmente ou em conjunto com outras companhias. As inscrições podem ser feitas de 7 de junho a 19 de julho no site da FINEP. O edital na íntegra e formulários podem ser acessados no site da empresa.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo Alvim, afirmou que a chamada é a primeira do Plano Anual de Investimentos de 2022, aprovado pelo Conselho Deliberativo do FNDCT. O ministro também ressaltou a orientação do Governo Federal em fortalecer o setor produtivo e promover a retomada econômica.

“Essa é a primeira de um conjunto de chamadas que vamos lançar. Estamos dando continuidade ao trabalho do Governo Federal em buscar soberania tecnológica em áreas estratégicas em parceria com o setor empresarial brasileiro. Trabalhamos muito articulados para incrementar nossa base industrial brasileira”, disse.

O diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação do Ministério da Defesa, Carlos Eduardo da Mota Góes, exaltou a parceria entre os dois ministérios e o potencial de retorno para o país do setor de Defesa.

“Essas áreas do edital transbordam, geram emprego, renda e desenvolvimento econômico. Do ponto de vista das Forças Armadas, elas se traduzirão em novas capacidades. A partir do resultado da subvenção econômica poderemos agregar novas capacidades ao Ministério da Defesa ou aprimorar capacidades existentes, o que significa maior autonomia tecnológica para nosso país e maior soberania”, avaliou.

O presidente da FINEP, Waldemar Barroso, elogiou o trabalho integrado com participação de governo, setor produtivo e academia. “Esse trabalho integrado entre as Forças Armadas, indústria de defesa, academia, setor científico faz realmente com que a tripla hélice se movimente. Essa decisão estratégica faz com que tenhamos assegurada a soberania nacional e desenvolvimento com ganhos para a sociedade”.

Já o presidente-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE), general Aderico Mattioli, destacou a liderança dos ministérios em investir no setor. “Percebemos a liderança do MCTI e da Defesa, que estão buscando junto à Base Industrial de Defesa as oportunidades para que o Brasil tenha sua retomada econômica e possa apresentar inovações. Isso é um reconhecimento das ações do governo que estão se refletindo em nossa base de Defesa”.

Chamada

O edital prevê recursos não reembolsáveis para as linhas temáticas de Tecnologias de Defesa (R$ 105 milhões) e Defesa Biológica, Nuclear, Química e Radiológica (R$ 15 milhões). Dentro da linha temática de tecnologias de Defesa, serão apoiados projetos que contemplem soluções inovadoras nos temas:

- Guiamento, controle e navegação com aplicação em mísseis, foguetes e veículos não tripulados terrestres/aéreos/navais;
- Propulsão com ar aspirado para aplicação aeroespacial;
- Materiais de alta densidade energética para propelentes e explosivos;
- Inteligência artificial e tecnologias quânticas para emprego em defesa cibernética;
- Radares e sensores com suas respectivas tecnologias de processamento e de análise para aplicação naval, terrestre e aeronáutica;
- Produtos para aplicação em Defesa visando proteção balística, camuflagem multiespectral, tecnologia de furtividade e blindagem eletromagnética;
- Desenvolvimento de atuador nacional de alto desempenho para aplicação espacial, aeronáutica e marítima;

Na linha temática de Defesa Biológica, Nuclear, Química e Radiológica, os investimentos serão aplicados em sensores e equipamentos específicos para essas áreas.

Outros detalhes da chamada podem ser encontrados no site da FINEP http://www.finep.gov.br/chamadas-publicas/chamadapublica/681.

Crédito da foto: Robert Wesley (SEAPC/MCTI)