Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

A ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Defesa e Segurança) realizou sua plenária mensal na última sexta-feira (16), em São José do Campos, com a participação do Deputado Federal Luiz Philippe de Orléans e Bragança e do General de Divisão Luis Antônio Duizit Brito, Secretário de Produtos de Defesa (Seprod), do Ministério da Defesa. Ambos falaram sobre as perspectivas para a BID (Base Industrial de Defesa).

Entre os convidados, também estava presente o Diretor-Geral do DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial), Tenente-Brigadeiro do Ar Maurício Augusto Silveira de Medeiros.

A plenária, em formato híbrido, aconteceu pela primeira vez na sede de uma associada da ABIMDE, a Mac Jee. A iniciativa tem como objetivo aproximar a entidade de suas associadas e fortalecer a integração entre as empresas.

O encontro foi aberto pela CEO da Mac Jee, Alessandra Stefani, que agradeceu o apoio dado pelo Ministério da Defesa e da ABIMDE à Base Industrial de Defesa e Segurança.

O Deputado Federal Luiz Philippe de Orléans e Bragança, que também é membro do Conselho da ABIMDE, falou sobre as perspectivas para a Base Industrial de Defesa e a evolução dos marcos legais. Ele é autor do projeto de lei (PLP 244/20) que estabelece isonomia tributária entre empresas nacionais e internacionais.

O Deputado fez uma breve análise geopolítica com foco na Defesa, evidenciando riscos à soberania nacional e a necessidade de uma política de Estado que garanta investimentos mínimos em Defesa. “O Brasil precisa de projetos estratégicos.”

O General Duizit Brito lembrou que são a Política Nacional (PND) e a Estratégia Nacional de Defesa (END), em tramitação no Congresso, os marcos regulatórios que poderão assegurar o futuro da Base Industrial de Defesa. “Nós temos que nos alinhar porque as ameaças que estamos sofrendo são reais. Temos que estar muito bem preparados, trocando informações qualitativas, para fundamentar o trabalho da defesa e impedir ações predatórias [na BIDS] que já estão acontecendo”, disse.

O Secretário apresentou ainda resultados e ações em andamento na Seprod. Lembrou que a indústria de Defesa exportou mais de R$ 1,1 bilhão em 2021, ressaltando que este volume pode aumentar se as empresas aproveitarem melhor as oportunidades ––tributárias, de financiamento, de fomento e de mercado– que já estão disponíveis.

O General ressaltou também a importância das instituições que trabalham pela organização e promoção da BIDS, entre elas, a ABIMDE.

Parcerias e Novas Associadas

O Diretor Executivo da ABIMDE, Coronel Armando Lemos, fez uma explanação sobre as ações da entidade, destacando o estreitamento de laços com associadas e instituições, como a Rodada de Negócios do Grupo Leonardo realizada em parceria com a ABIMAQ (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos) e a agenda de eventos e feiras internacionais.

Na sequência, ele apresentou as novas associadas: AR500 Brasil (Porto Alegre-RS), Athon (Bom Jesus dos Perdões-SP), Bravus (São José dos Campos-SP), Carpo Logistics (Santos-SP), Rifle Ammunition (São Bernardo do Campo-SP), Fratelli (Santa Rosa-RS), Sol Sports (Jaraguá do Sul-SC).

O Presidente Executivo da ABIMDE, General Aderico Mattioli, encerrou a plenária destacando o movimento que a entidade tem feito para estreitar relações com outras instituições que congregam indústrias de Defesa e Segurança, como tem sido feito com a ABIMAQ, a AIAB (Associação das Indústrias Aeroespaciais do Brasil) e a Abese (Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança), que estavam representadas na plenária.

“Queremos fortalecer as parcerias e os comitês temáticos para intensificar ações que visam atender demandas específicas”, disse o Presidente Executivo da ABIMDE.

Ele também agradeceu a Seprod e o Deputado Federal Luiz Philippe pelo empenho em prol da BIDS e a Mac Jee pelo apoio prestado. “Precisamos saber reverberar e redirecionar nossos esforços para aprovação dos projetos viabilizadores no Congresso”, finalizou.